1404823436 1

Lucro Real – IRPJ e CSLL

Ficam obrigadas ao Regime de tributação chamado Lucro Real, as empresas cuja receita total, no ano-calendário anterior seja superior ao limite de R$ 78.000.000,00 (setenta e oito milhões de reais) ou a R$ 6.500.000,00 (seis milhões e quinhentos mil reais) multiplicado pelo número de meses de atividade do ano-calendário anterior, quando inferior a 12 (doze) meses (limite estabelecido pela Lei 12.814/2013).

O Lucro Real comporta duas periodicidades: anual e trimestral, tanto para o IRPJ, quanto para a CSLL.

Como Regra, o imposto de renda das pessoas jurídicas é devido trimestralmente, e por opção, é possivel a apuração anual.

No Lucro Real, o imposto será determinado por períodos de apuração encerrados nos dias 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro de cada ano calendário. No Real anual deve-se apurar o Lucro Real em 31 de dezembro de cada ano.  

Podemos dizer que em determinadas ocasiões o Lucro Real é mais justo, pois baseia-se nos resultados efetivamente ocorridos (balanço contábil), com ajustes determinados pela legislação (adições e exclusões à base de cálculo).

Entretanto, o Lucro Real é mais burocrático e leva ao sistema de não cumulatividade do Pis e Cofins (com alíquotas maiores e crédito das contribuições). Porém, além de incidir sobre uma base mais próxima da efetiva geração de lucro (ou mesmo prejuízo) do negócio, há vantagens pelas possibilidades maiores de se fazer o famoso Planejamento Tributário.

Por ser menos burocrático, várias empresas optam pelo Lucro Presumido. Entretanto, cabe uma análise, pelo menos anual, verificando nos balancetes contábeis, devidamente ajustados e conciliados, a tributação total por este regime (incluindo IRPJ, CSLL, PIS e COFINS) x tributação simulada pelo Lucro Real (com a utilização de técnicas de Planejamento Tributário).

Em resumo, as vantagens do Lucro Real seriam:

1. Possibilidade de compensar prejuízos fiscais anteriores (ou do mesmo exercício).

2. Reduzir ou suspender o recolhimento do IRPJ e da CSLL (utilizando balancetes mensais).

3. Utilização de créditos do Pis e Cofins.

4. Possibilidades mais amplas de se planejar todas as variáveis tributárias, ou seja, realizar um Planejamento Tributário mais completo.

As desvantagens ficariam por conta de:

1. Maior rigor contábil pelas regras tributárias (ajustes fiscais), teoricamente com maior burocracia.

2. Alíquotas do Pis e Cofins mais elevadas.

Portanto, com um bom planejamento, você empreendedor poderá alavancar o seu negócio corretamente, pagando os impostos de forma justa.

Nós, da Jks Assessoria estamos a sua disposição para realizarmos um grande planejamento tributário para a sua empresa, pois a maior crise que podemos passar é a falta de informação.

Fonte;

Portal Tributário

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *